FAPESP

13775353_1047992685276517_4804455896692681471_n

 

Ação do selante de fibrina derivado do veneno de serpente como arcabouço biológico de células tronco mesenquimais (CTMs) em falhas ósseas produzidas no fêmur de ratas com osteoporose

 

 

O uso de células tronco no reparo tecidual tem evoluído progressivamente e esta terapia tende a melhorar a habilidade ou mesmo substituir a capacidade reparadora do tecido ósseo, quando houver falha parcial ou completa no mecanismo de reparação. Na regeneração tecidual, um biomaterial pode promover o ambiente necessário para a diferenciação celular e definir a forma final do tecido regenerado. Estudos com células tronco mesenquimais (CTMs) de pacientes com osteoporose, tem mostrado que esta doença está associada com uma redução da proliferação de CTMs e diferenciação osteogênica, e a injeção local de CTMs pode melhorar a recuperação da estrutura óssea de locais com osteoporose.Uma maneira de evitar perda celular após a aplicação de CTMs no local da lesão é por meio da utilização de arcabouços associados às CTMs. A possibilidade da utilização de um Selante de Fibrina, cujo fator polimerizador é derivado do veneno de serpente, abre uma importante opção clínico-cirúrgica. Além disso, este selante apresenta vantagens em relação aos convencionais disponíveis no mercado, como a não utilização de sangue humano em sua composição e a possibilidade de formulação personalizada à necessidade da cirurgia, levando-se em conta o tempo de coagulação. Com base no exposto os objetivos do presente projeto são: (A) Coletar e cultivar in vitro CTMs a partir da medula óssea de ratos; (B) Caracterizar as CTMs com marcadores de superfícies; (C) Analisar a capacidade de diferenciação das CTMs em linhagem osteogênica; (D) Realizar o ensaio de citotoxicidade do Selante de Fibrina in vitro; (E) Avaliar a biodegradabilidade in vitro do Selante de Fibrina; (F) Avaliar a combinação do Selante de Fibrina com CTMs e diferenciadas na linhagem osteogênica, para o tratamento da osteoporose, após um defeito crítico no fêmur de ratas; (G) Investigar os níveis séricos do estrógeno, cálcio, osteocalcina e bioquímicos da fosfatase alcalina dos animais com osteoporose, após um defeito crítico no fêmur de ratas; (H) Realizar análise por tomografia microcomputadorizada do fêmur dos animais com osteoporose, após um defeito crítico no fêmur de ratas; (I) Avaliar a regeneração óssea do fêmur das ratas com osteoporose, após um defeito crítico no fêmur de ratas, por meio de análise histológica, bem como por microscopia eletrônica de varredura e de transmissão; (J) Avaliar o crescimento e a viabilidade das CTMs e diferenciadas na ferida cirúrgica dos animais com osteoporose, após um defeito crítico no fêmur de ratas por análise imunohistoquímica. Todos os resultados serão expressos como média ± erro padrão da média. Diferenças entre as médias serão testadas por Análise de Variância (ANOVA) seguida por testes de significância. Dados descontínuos serão analisados pelo teste X2. Significância estatística será considerada para valores de P< 0,05. (AU)

 Avaliados a  um novo Selante fribrin heteróloga novela derivada do veneno de cobra como acaffold de células-tronco mesenquimais derivadas da medula óssea no reparo de defeito crítico no fêmur de ratos ovariectomizados e não ovariectomizadas