Estrutura Curricular

Estrutura Curricular

ASPECTOS GERAIS

Área de Concentração: PESQUISA CLÍNICA

Pesquisa orientada para o ser humano, propiciando descobertas para aplicação em saúde e conduzida em processos de desenvolvimento ou já com participantes humanos (ou em materiais de origem humana como tecidos, espécimes ou fenômenos cognitivos) na qual há interatividade do investigador (ou membros de equipe de pesquisa) com os participantes ou os materiais. A Pesquisa Clínica inclui estudos de mecanismos de doença humana, prospecção, desenvolvimento e translação de novos candidatos terapêuticos, estudos para aplicação, intervenções terapêuticas, ensaios clínicos, desenvolvimento de novas tecnologias, estudos epidemiológicos e comportamentais e, pesquisa de desfechos e em serviços de saúde.

(adaptado de NIH – Office of Extramural Research – Glossary & Acronyms Glossary of NIH Terms,  https://goo.gl/JQVNdi)

LINHAS DE PESQUISA

1 – Pesquisa clínica em populações estratégicas e vulneráveis

Os investimentos públicos na pesquisa em saúde no Brasil alinham-se com as demandas públicas e da Política Nacional de Saúde. Além de áreas estratégicas, algumas populações, pela sua vulnerabilidade e fragilidade (idosos, gestantes, crianças, minorias étnicas, populações socioeconômicas desfavorecidas, doentes em coma ou inconscientes e doentes permanentemente incompetentes com distúrbios psiquiátricos ou de conduta), carecem de abordagem priorizada e especializada que deverá ser contemplada por produtos específicos.

2 – Pesquisa clínica para o complexo econômico e industrial da saúde

O Complexo Econômico e Industrial da Saúde – CEIS (Gadelha, 2003) é composto por: 1) indústrias de base química e biotecnológica, indústrias farmacêutica, de vacinas, hemoderivados e reagentes para diagnóstico; 2) atividades de base física, mecânica, eletrônica e de materiais, com indústrias de equipamentos e instrumentos, órteses e próteses e materiais e; 3) prestação de serviços de saúde, com unidades hospitalares, ambulatoriais e de serviços de diagnóstico e tratamento, sendo este último força motriz da inovação científica no setor. A interação entre o CEIS e a geração de inovação (universidades e centros de pesquisa) procura atender as demandas do processo produtivo, seja na pesquisa básica, ensaios clínicos, estudos de custo-efetividade e monitoramento de horizonte tecnológico.

3 – Avaliação de tecnologias em saúde

A Avaliação de Tecnologias em Saúde (ATS) é um processo contínuo de avaliação, usando vários métodos de pesquisa, que visa o estudo sistemático das consequências clínicas, econômicas e sociais da utilização das tecnologias novas ou existentes na saúde, desde a sua pesquisa e desenvolvimento até sua obsolescência. As pesquisas e os produtos auxiliam os gestores do SUS e saúde suplementar a tomarem decisões racionais na escolha de tecnologias e mais custo-efetivas, com melhor alocação de recursos financeiros.

DISCIPLINAS (mais dados e calendários na seção “Sobre o Programa”)

A estrutura curricular é composta por:

Núcleo acadêmico (Disciplinas Obrigatórias)

 

  1. Avaliação de tecnologias em saúde
  2. Delineamento de estudos sobre desempenho de exames diagnósticos
  3. Informação e divulgação científica em pesquisa clínica
  4. Pesquisa clínica: princípios e prática
  5. Saúde baseada em evidências

Núcleo acadêmico (Suporte/Disciplinas Optativas)

 

  1. Técnicas, dispositivos e inovação em abordagens endovasculares,
  2. Estudos pré-clínicos de toxicologia e segurança farmacológica
  3. Farmacocinética básica e aplicada
  4. Pesquisa clínica em crianças e adolescentes
  5. Saúde do idoso baseada em evidências

 

Conteúdo PLUS (Disciplinas Complementares/Tópicos Especiais)

 

  1. Bioestatística
  2. Bioética
  3. Epidemiologia Clínica
  4. Inglês preparatório para TOEFL
  5. IPPCR – Introduction to the Principles and Practice of Clinical Research – National Institutes of Health Clinical Center – USA
  6. Inovação e Empreendedorismo
  7. Gestão Pública e de Negócios
  8. Políticas Públicas
  9. Outros temas de interesse

METODOLOGIA DE ENSINO

O programa exige o cumprimento de créditos em atividades junto às disciplinas e em atividades executadas da seguinte maneira:

 

  • Aulas presenciais
  • Palestras de convidados
  • Seminários
  • Trabalhos em equipe
  • Tutoria e orientação direta
  • Estágios práticos externos
  • Oficinas de trabalho
  • Atividades práticas (centros de pesquisa e empresas/instituições parceiras no programa)
  • Visitas dirigidas à empresas e centros de pesquisa
  • Desenvolvimento de portfólio (relatório de atividades)
  • Apresentação do trabalho de conclusão/produto

 

AVALIAÇÃO DO ALUNO E “FEEDBACK”

O processo de avaliação ocorre de forma qualitativa, quantitativa e no acompanhamento de egressos.

Avaliação qualitativa: é observada a evolução do portfólio/relatório de atividades ou desenvolvimento dos projetos e propostas junto aos orientadores.

Avaliação quantitativa: ocorre de forma cognitiva nas disciplinas (tarefas, testes de múltipla escolha, questões dissertativas, análises de textos) e ao final do curso, pela apresentação e implantação da proposta/produto desenvolvida ao longo do processo avaliada e quantificada por banca julgadora especializada.

Acompanhamento de egressos:  Avaliação de sucesso de inserção dos egressos no mercado de trabalho mediante questionário de mensuração da empregabilidade, do nível e status de emprego, da faixa salarial e grau de satisfação decorrentes da realização do programa. Uso de dados do IPEA – Instituto de Pesquisas Econômicas Aplicadas e IBGE. Além disso, a avaliação pontua aspectos de “feedback” para o programa relacionando o conteúdo ministrado e a eficiência dele para o desempenho profissional. O questionário é aplicado no momento da conclusão, um e cinco anos após.