Reunião debate desafios da pós-graduação em pesquisa clínica

Visita de pró-reitor da Unesp discutiu inovações necessárias no setor.

[13/03/2017]

Fomentar o debate sobre os caminhos da pós-graduação profissional na universidade e as medidas necessárias para a inovação foram alguns dos aspectos discutidos na visita do pró-reitor de pós-graduação (PG) da Unesp, professor João Lima Sant’Anna Neto, à Faculdade de Medicina de Botucatu/Unesp (FMB) no dia 9 de março. A visita decorreu de convite feito pelo coordenador do programa de pós-graduação em pesquisa clínica da FMB, professor Carlos Antônio Caramori.

O programa de pós-graduação em pesquisa clínica (mestrado profissional) da FMB, criado em 2015, vem rapidamente incorporando inovações alinhadas com as propostas mundiais dessa modalidade. Na Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES), essa modalidade tem ganhado importância estratégica por sua relevância no cenário de desenvolvimento econômico do país.

O programa de PG em pesquisa clínica, além de metodologias inovadoras no processo de seleção de alunos, proposta de projetos, currículo (disciplinas voltadas ao mercado de trabalho), participação de tutores externos, estágios profissionais, tem implementado política de parcerias, privadas ou públicas, para seu desenvolvimento (Instituto Federal de São Paulo, Centro Paula Souza, Agência Unesp de Inovação ((AUIN)) Unesp, Parque Tecnológico de Botucatu, NIH Clinical Center, Instituto Vital Brazil, Braile Biomédica, Merck Serono, Ministério da Saúde DECIT/DECIIS).

“Em 2016, o programa passou a ser interunidades, envolvendo a FMB e o Centro de Estudos de Venenos e Animais Peçonhentos (Cevap). Essa associação permitirá o treinamento de profissionais aptos a atuar em cenários completos de pesquisa clínica em que poderão ocorrer a prospecção de novas moléculas, pesquisa translacional, desenvolvimento de novas drogas e a aplicação destas em estudos em seres humanos”, explica professor Caramori.

Grande parte dessa experiência foi adquirida pelo Cevap e pela FMB durante o desenvolvimento de projetos “da bancada ao leito” de dois produtos importantes para o cenário nacional e que estão sendo usados em ensaios clínicos gerenciados pela Unidade de Pesquisa Clínica (Upeclin): o selante de fibrina e o soro antiapílico. “O sucesso dessa experiência inovadora e o conhecimento adquirido vai agora contribuir para a formação de diversos profissionais das mais diversas áreas do conhecimento científico”, destaca professor Caramori.

“Os desafios existentes para o desenvolvimento do programa são diversos, desde a sustentabilidade até aspectos regulatórios na própria CAPES (critérios de valoração, avaliação de produção, entre outros) e regulatórios/administrativos na Unesp. Para que essa modalidade cumpra seu papel no desenvolvimento do país é necessário que o sistema da CAPES e da Unesp promovam discussões e modificações para flexibilizar os dispositivos legais atendendo uma nova demanda no país: inovação, parcerias instituições e organizações, fluxo de pessoas e de recursos, entre outros – todos amparados pelo Marco Legal da Inovação Científica e Tecnológica (Lei 13243 de 11/01/2016)”, complementa o coordenador da PG em pesquisa clínica.

Diante dos aspectos debatidos, o pró-reitor de PG da Unesp, professor João Lima Sant’Anna Neto, manifestou-se favorável ao debate e a necessidade de modificações e se colocou como um agente que tem a intenção de contribuir com futuras conquistas para o setor na Universidade.

Participaram do encontro o diretor da FMB, professor Pasqual Barretti, os coordenadores da PG em pesquisa clínica, professor Carlos Antônio Caramori e professora Adriana Polachini do Valle, os representantes do Cevap, professores Rui Seabra Ferreira Jr (coordenador) e Benedito Barraviera (professor e pesquisador) e os servidores técnico-administrativos da Seção Técnica de Pós-Graduação da FMB, Janete Aparecida H. N. Silva e Diego C. B. de Oliveira.

gedc3380_site.jpg

Assessoria de Comunicação e Imprensa da FMB