Soro contra picadas de abelhas será testado em humanos na Unesp

Soro é desenvolvido por grupo de Botucatu (SP) há mais de 20 anos.

Cerca de 10 mil picadas de abelhas são registradas por ano, com 100 mortes.

Pesquisadores da Universidade Estadual Paulista (Unesp) de Botucatu (SP) estão autorizados pelo Ministério da Saúde, Agência Nacional de Vigilância Sanitária e outros órgãos competentes a fazer testes em humanos com o soro contra picadas de abelhas.

Segundo o Ministério da Saúde, cerca de 10 mil casos de picadas de abelhas são registradas por ano no Brasil e mais de 100 mortes.

O soro foi desenvolvido pelo CEVAP (Centro de Estudos de Venenos e Animais Peçonhentos) da Unesp com Instituto Vital Brasil há mais de 20 anos e agora será testado em humanos, que serão feitas em três universidades, entre elas a Unesp de Botucatu.

Serão recrutados, em abril, 20 pacientes, segundo o médico infectologista Alexandre Naime Barbosa. Os testes devem verificar se o soro não tem efeitos adversos graves.

Inicialmente para testar essa iniciativa inédita da medicina, que é o soro contra veneno de abelha, nós estamos recrutando pacientes que são vítimas de múltiplas picadas de abelhas. Uma picada só não determina grande gravidade do caso, mas quando o indiví­duo sofre mais de 200 picadas ele pode morrer pela toxicidade do veneno, diz o médico infectologista.